Depois de anunciar o investimento de R$ 500 milhões em uma nova fábrica de motores no Polo Industrial de Betim, a FCA (Fiat Chrysler Automobiles) voltou a agitar o mercado automotivo. Nesta segunda, 27 de maio, o grupo fez uma proposta de fusão com a Renault, sendo 50% das ações para cada uma das partes.

A FCA é líder no segmento de automóveis, como o Argo, na América Latina (Foto: Studio Cerri)

Leia o comunicado completo

Segundo a FCA, a ideia é a criação de um fabricante de automóveis global, que se destaque em termos de faturamento, volumes, rentabilidade e tecnologia. O objetivo será beneficiar os respectivos acionistas e públicos de interesse.

“O negócio teria vendas anuais de aproximadamente 8,7 milhões de veículos, seria uma líder mundial em tecnologias de veículos elétricos, marcas premium, SUVs, pick-ups e veículos comerciais leves, e teria uma presença global mais ampla e equilibrada do que cada uma das empresas separadamente”, diz o comunicado publicado pela empresa em seu site de notícias.

Leia também: FCA turbina Fiat e Jeep

Proposta em análise

A Renault informou, também através de um comunicado, que o seu Conselho de Administração se reuniu nesta segunda para examinar a proposta recebida.

“Após rever atentamente os termos desta proposta amigável, o Conselho de Administração da Renault decidiu estudar com interesse a oportunidade de uma aproximação, para fortalecer a presença industrial do Grupo Renault e gerar valor adicional para a Aliança. Posteriormente, será emitido um comunicado para informar ao mercado sobre os resultados destas discussões em momento oportuno, de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis”, explica o texto da montadora fracesa.

Leia também: A avaliação completa do Renault Sandero GT Line 1.0

Um dos objetivos da fusão é incrementar o desenvolvimento de carros elétricos, como o Zoe da Renault (Foto: Renault/Divulgação)

Combinação de culturas

A FCA ressalta que a fusão não significa fechamento de fábricas ou redução de força de trabalho. O grupo garante que  tem um histórico de combinar “com sucesso” fabricantes de veículos de culturas distintas para criar times de liderança fortes e organizações dedicadas a um propósito único.

Os benefícios da combinação dos dois negócios seriam divididos em 50% para os atuais acionistas da FCA e 50% para os atuais acionistas do Grupo Renault.

“Antes do fechamento da transação, de modo a mitigar a disparidade nos valores de mercado, acionistas da FCA receberiam ainda um dividendo de €2,5 bilhões. Adicionalmente, antes do fechamento, haveria uma distribuição das ações da Comau aos acionistas da FCA ou um dividendo incremental de €250 milhões caso o spin-off da Comau não ocorra”, ressalta o informe.

Leia também: FCA vai investir R$ 14 bi

Vários segmentos

A fusão das empresas ainda criaria um portfólio de marcas que daria cobertura completa de mercado com presença em todos os segmentos-chaves, desde marcas premium e de luxo, como Maserati e Alfa Romeo, até as fortes marcas de acesso Dacia e Lada, e incluiria as muito conhecidas marcas Fiat, Renault, Jeep e Ram, assim como veículos comerciais.

A Renault possui forte presença na Europa, Rússia, África e Oriente Médio, enquanto a FCA tem posição única nos segmentos de altas margens da América do Norte e é uma líder de mercado na América Latina.

A capacidade em evolução da FCA em direção autônoma, que inclui parcerias com Waymo, BMW e Aptiv, são complementadas pelas décadas de experiência do grupo francês em tecnologias de veículos elétricos, sendo a fabricante mais vendida da Europa nesse segmento.

⇒ VOCÊ E O ACELERA AÍ
Dicas e sugestões: redacao@aceleraai.com.br
Visite e curta a fanpage do Acelera Aí (www.facebook.com/aceleraai/)
Instagram/@aceleraaibh
Você também pode acessar o conteúdo pelo www.bhaz.com.br
Os editores do Acelera Aí apresentam a coluna Acelera BandNews, na Rádio BandNews FM BH (89,5). Ouça também através da fanpage @radiobandnews